Serviços

Nutrição.

Adriana Picão - Nutricionista Cédula Profissional 4806N

“Trabalhar com a população idosa é um desafio, sendo ainda uma oportunidade para dar a conhecer os benefícios da alimentação saudável. Na Santa Casa da Misericórdia de Sobral Monte Agraço, os principais objetivos a desenvolver são:

- Planificar e acompanhar a implementação de ementas, isto implica ir ao encontro das necessidades nutricionais, às preferências alimentares dos idosos e colaboradores e à gestão de recursos laborais e económicos da instituição.

Na SCMSMA, são servidas aproximadamente cerca de 200 refeições, muitas das quais necessitam de adaptação, devido às dificuldades de mastigação, deglutição ou outros problemas de saúde. Existem três tipos de dietas implementadas diariamente, Geral, Pastosa e Ligeira, de forma a abranger a maioria das patologias existentes. Casos mais específicos, requerem de uma dieta adaptada e personalizada à situação clínica do utente;

- Fomentar as boas práticas de fabrico e de higiene dos colaboradores, instalações, equipamentos e utensílios das áreas alimentares;

- Garantir a higiene e segurança alimentar das refeições;

- Detetar os idosos em risco nutricional através da avaliação do seu estado nutricional;

- Realizar aconselhamento dietético e nutricional com base na avaliação do estado nutricional e/ou na presença de doença crónica com dietoterapia;

- Promover hábitos alimentares saudáveis através de sessões de educação alimentar;

- Realizar formação aos colaboradores, sobre diversos temas, como a alimentação na 3ª idade, higiene e segurança alimentar, etc.

Contudo, importa dizer que muitas vezes somos vistos pela população idosa como profissionais de saúde que não lhes irão transmitir nada de novo. Para tal, importa atender a que, por se tratar de uma população mais vulnerável, torna-se fundamental durante todo o processo adequar as estratégias a adotar e para isso usar um discurso mais cuidadoso, com vista à criação de empatia com o idoso. Ressalvo, que quando se quer modificar algo na sua alimentação, é necessário explicar-lhes a importância das mudanças que tencionamos introduzir, tendo sempre em conta a sua opinião e esclarecendo que têm livre-arbítrio.

Por fim, todos nós, devemos trabalhar em conjunto para garantir o bem-estar e a qualidade de vida dos nossos idosos, e isso deverá passar, impreterivelmente, por providenciar refeições que cumpram os necessários requisitos em termos higiossanitários e de equilíbrio nutricional.”

Leia aqui o artigo na Newsletter.